quinta-feira, 2 de julho de 2009

Viagem — passagem


esta vida é uma viagem
pena eu estar
só de passagem

Paulo Leminski
* Imagem daqui

19 comentários:

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Janaina,

Gostoso mesmo é receber sua visita logo cedo...

E essa vida é efêmera, por isso temos que viver com intensidade.

Que seu dia seja lindo.

Beijo imenso.

Rebeca


-

maria guimarães sampaio disse...

acordaste cedinho... vou indo, vou ver a cabocla, e o caboclo também. Quiçá me anime para vaiar e dar fiuticu ao políticos.

Bernardo Guimarães disse...

bom começar o dia com p.leminski, meu poeta preferido ( junto com thiago de melo, vinicius, bandeira, drumond...)

aeronauta disse...

Adorei o presente-poema para o início desse dia de sol!

Ana Tapadas disse...

Exactamente aquilo que eu sinto, minha amiga!
beijinho e bom dia!

Gerana disse...

O que faz lembrar "nosso" Saramago contando que a avó dele, com mais de 90 anos, abraçou uma árvore e disse que gostava tanto da vida: "Pena que eu tenho que ir embora". Não sei, mas parece que está em algum dos Cadernos de Lanzarote.

ADRIANO NUNES disse...

Janaína,

Que lido! Salve Leminski!


Abço forte, de seu sempre amigo,
Adriano Nunes.

Anônimo disse...

GERANA (via JANAÍNA), quem abraça as árvores do quintal antes de morrer é o avô de Saramago. A avó, sentada na soleira, quando aos 90 anos vê chegada a hora de partir, diz: "O mundo é tão bonito e eu tenho tanta pena de morrer." Isso está em AS PEQUENAS MEMÓRIAS, p. 119-120. E um grande abraço para vocês duas.

SIDNEY WANDERLEY

Anônimo disse...

GERANA (via JANAÍNA), quem abraça as árvores do quintal antes de morrer é o avô de Saramago. A avó, sentada na soleira, quando aos 90 anos vê chegada a hora de partir, diz: "O mundo é tão bonito e eu tenho tanta pena de morrer." Isso está em AS PEQUENAS MEMÓRIAS, p. 119-120. E um grande abraço para vocês duas.

SIDNEY WANDERLEY

Cosmunicando disse...

ah que viagem... e como adoro Leminski!

beijo

Maria Muadiê disse...

adoro Leminski

Chorik disse...

As curtíssimas de Leminski são as melhores. Com ele menos era mais.

. fina flor . disse...

pena, nada, estar de passagem é bom demais, podemos ser forasteiros de nós mesmos o tempo todo, rsrsrs*

beijos, querida

MM.

Gerana disse...

SIDNEY: olá, que bom encontrar um comentário seu para mim, aqui na casa de Janaína. Você tem razão, é que Saramago me deixa um tanto embriagada de fascínio.
Como anda sua produção poética? Mande notícias.

JA: a antologia já foi para Alagoas.

Bipede Implume disse...

É mesmo. E a imagem diz bem dessa realidade. Passamos pela vida como um cometa e algumas pessoas, com tu Janaína, espalham luz.
Beijinhos e bom fim de semana.
Isabel

Janaina Amado disse...

Amigos, obrigada por terem viajado tanto comigo neste post! Gerana e Sidney viajaram até os velhos avós de José Saramago, beleza!

Anônimo disse...

GERANA (via JANAÍNA):

Agora em setembro publico um livro
(CHUVA E NÃO) contendo os 10% do que produzi e ainda suporto (re)ler em 33 anos de, digamos, exercício literário. O primeiro exemplar irá para a Gerana e o segundo para a Janaína.

SIDNEY WANDERLEY

Gerana Damulakis disse...

SIDNEY: que ótima notícia!Sinceramente, pensei em sua poesia ao longo desse tempo e na razão pela qual não recebia mais um livro novo.Será uma alegria ler mais uma vez seus poemas. O endereço é o mesmo. Abraço de Gerana

Lidi disse...

Belo poema e realista! Adorei!