quarta-feira, 24 de setembro de 2008

As múltiplas possibilidades das coisas

(Foto: "Na pressão", de Luis Augusto Jungmann Andrade)
Juro que aconteceu assim: primeiro escrevi, no enredosetramas, o post sobre a letra do Chico, O que será que será. Depois, procurei uma foto que a ilustrasse. Precisava de uma foto misteriosa, intrigante, que combinasse com a letra e com meu pequeno comentário a ela. Escolhi uma foto (do ótimo site português olharesaeiou) que me pareceu dialogar bem com a letra.
Aqui, na chamada de ontem para o enredosetramas, postei o mesmo título e a mesma foto de lá. Ao escrever, porém, a frase “Quer descobrir? Clique aqui”, eu pensava no título do post, "O que será", e não na foto. Minha idéia era a de que os leitores, remetidos a enredosetramas, palpitassem lá sobre a letra do Chico.
Qual não foi a minha surpresa quando o Adelino e todos os outros comentadores do post de ontem palpitaram, aqui, sobre o que seria não a música, mas... a foto! Adorei isso. Me fez pensar 1) na força da fotografia; 2) em daqui pra frente ser mais clara: não confundir os dois posts, embora mantendo o diálogo entre eles.
Mas, principalmente, o que aconteceu ontem me apontou, mais uma vez, as múltiplas possibilidades das coisas: uma música que todo mundo conhece faz perguntas cujas respostas ninguém ao certo conhece (isso, gente, lá no outro blog, he he); aqui, uma foto posta só para ilustrar se agiganta, despertando diversas interpretações; algo que escrevo aqui com uma intenção repercute em outra direção. Enfim, nada é necessariamente o que parece, ou o que a gente quer que seja. Esses são os truques que realmente me interessam: os das infinitas possibilidades da nossa imaginação e da nossa interação.
Ah, a foto? O que é? A mim, parece metade de um coco, emitindo intensíssima luz (acho que foi essa luz que me atraiu). Mas, se vcs. tivessem clicado no link do fotógrafo, veriam que ele mesmo esclarece o mistério. Sua foto se chama... “A paisagem que escapuliu”.
Hi, hi, hi...

7 comentários:

maria guimarães sampaio disse...

Jana, estou gostando das viagens, acreditando no truque.
Você está sabida MERMO! toda sibit cheia dos links.
Beijim

valter ferraz disse...

Janaína,
nem tudo o que parece é e nem tudo é o que parece ser.
A multplicidade das coisas às vezes rende bons diálogos.
Por exmplo, tentar desvendar o mistério da letra. Continuo sem saber.
O que será que será?
Beijo, menina

ps:oba! sumiram as tais letrinhas!

aeronauta disse...

O que ainda me faz acreditar na vida é isso: as coisas não são o que aparentam ser.

adelaide amorim disse...

Também acho fascinante essa ambiguidade das coisas, que pode chegar ao ponto de nos deixar numa dúvida sem saída. Muito bom seu blog, Janaína.
Beijo pra você.

Aninha Pontes disse...

Pois é meu bem, ainda acho que fiz muito bem em ficar em cima do muro, me divertindo com todos se descabelando para descobrir um mistério, que talvez nem o autor saiba.
Beijinhos

Adelino disse...

Janaina, ainda bem que você gostou da ambiguidade de minha interpretação... De início, é verdade, fixei-me na imagem. Depois, quando vi a letra do Buarque, fiquei meio "sem jeito"... E mais um "ainda bem": ainda bem que os outros leitores foram na minha "onda"... Beijos. Adelino

PS 1 - Gostei da frase do seu leitor AERONAUTA: "O que ainda me faz acreditar na vida é isso: as coisas não são o que aparentam ser."
PS 2 - Quanto à imagem de hoje, confesso que à primeira vista pensei noutra coisa... Mas não vou dizer no que foi pra não ser exceção...

Um abraço, Janaina. Feliz final de semana. Seu blog vai "bombar", pode crer... Já está.

Janaina Amado disse...

Maria, Valter, Adelaide, Aninha, ler vocês aqui, sobre esse tema que para mim é tão importante, foi ótimo. Maior alento, maior estímulo, maior alegria..
Aeronauta, vc. mirou bem no alvo das minhas palavras e sentimentos. Adelino, vc. se mostrou um revolucionário que não perde a ternura. Obrigada a todos vocês.