domingo, 7 de fevereiro de 2010

Diálogos (im)possíveis 16


[Diálogo verídico, relembrado hoje, em conversa gostosa com minha prima Paloma.]
A costureira da família ia sempre lá em casa, consertar roupas, trocar zíperes, alargar e encompridar nossas roupas de crianças que cresciam. Quitéria era baixa, gorda, suada, tinha por olhos dois pequenos traços, que sumiam quando se ria, mostrando os dentes estragados. Nós a achávamos muito velha, mas devia andar pela casa dos 40 e poucos anos. Um dia, avisou à minha tia:
— Amanhã eu não posso vir. A minha filha, que eu não vejo faz quase 15 anos, está chegando do Recife. Eu vou buscar ela.
O tio, que passava por ali e ouviu a conversa, perguntou, gaiato:
— Quitéria, então você tem uma filha? E eu, que pensei que você fosse virgem!
Ela respondeu na bucha, rindo, os olhinhos sumidos:
— Seu Jorge, e eu lá tenho paciência pra isso?
*Imagem trazida daqui.

18 comentários:

Dalva disse...

Kkkkkk... cada uma que a gente vê (e escuta)!

Boa semana, Janaína!

Bjs.

Gerana Damulakis disse...

Só ele mesmo, a história é típica de JA. Adorei.

Luli Facciolla disse...

Eu tambem não tive essa paciencia!

Beijos!

Edu O. disse...

com este diálogo, lembrei de um caso que postarei no Monólogos na Madrugada. muito boa essa de Quitéria!

Anônimo disse...

Uma história dessas faz sucesso
em qualquer parte do mundo: na Tasmânia, em Boca da Mata e sobretudo na feira de Viçosa.

SIDNEY WANDERLEY

I.Moniz Pacheco disse...

Cada uma melhor que a outra.
Continue dialogando.

maria guimarães sampaio disse...

Taí, Jana, pelo que me contam, cada qual a seu jeito: Isabé e Quitéria são um pouco "colhegas".

Bipede Implume disse...

Querida Janaína
Uma delícia este diálogo.
É sempre uma alegria este blog.
Beijinhos
Isabel

Platero disse...

A Isabel, falou-me de um modo tão delicioso deste diálogo que tive mesmo de o vir ler!

É absolutamente delicioso, Obrigado!

Nydia Bonetti disse...

Que delícia... :) Cada vez que leio teus "causos", me dá uma vontade imensa de contar os meus... :) beijos!

Georgia disse...

Paciência com essas coisas?

15 anos??? Uma vida!

Janaina, obrigada pela visita lá no Vida de blogueira. te respondi por lá.

Beijao

Anônimo disse...

Sensacional. Adorei Janaina.
Geraldo de Majella

Bípede Falante disse...

Janaina, estamos escolhendo o nome do blog coletivo lá no meu. Arruma um tempinho e vai lá dar a sua opinião, tá?

Nilson disse...

Sábias palavras! Haja paciência!!!

Ana Tapadas disse...

Que boa disposição este teu blogue! Quanta criatividade, também! Adorei a história e a linguagem - uma graça.
A imagem, então! Aquelas máquinas...
Beijinhos

dade amorim disse...

:)) Fez bem, Quitéria.

Chorik disse...

Ai ai. Faltou paciência então! Essa é boa. Vou recomendar paciência à minha filha de 16.

Lucia Alfaya disse...

Ah! Minha Bahia!!!