domingo, 18 de outubro de 2009

Esperança é a coisa com penas



Esperança

A "Esperança" é a coisa com penas
Que na alma se empoleira -
E canta uma cantiga sem palavras -
E nunca pára - a vida inteira –

Emily Dickinson [fragmento]
(tradução de dama)

Hope
Hope is the thing with feathers
That perches in the soul,
And sings the tune--without the words,
And never stops at all
Emily Dickinson [fragment]

*Imagem daqui

8 comentários:

claudio rodrigues disse...

Ah, que lindo, Janaina! POis bem, meu passarinho vai chamar-se Esperança. Beijo grande e obrigado pelo post.

I.Moniz Pacheco disse...

Pois é. Dizem que a esperança é a última que morre, porém se ela é a última, como saberemos que ela morreu?
Bonito demais seu post, e esperança além de ser fundamental é uma linda palavra.
Esperança, esperança, esperança: vai dar certo!

Gerana Damulakis disse...

ED deixa a gente de boca aberta, sem dúvida. Seja pelo manejo das palavras, seja pelo toque de sabedoria; enfim, poesia.

Por que será que os blogs estão tão cheios de pássaros hoje?

Flor ♥ disse...

Um encantamento esses versos de ED... precisamos muito desse passarinho pra cantar em nossa janela, toda manhã!

Boa semana!

Bjs.

Luma Rosa disse...

Emily Dickinson...como é difícil traduzí-la.

Woody Allen começa o livro "Sem Plumas" assim:

"Como Emily Dickinson estava errada! A esperança não é uma coisa com plumas. A coisa com plumas é o meu sobrinho; preciso levá-lo a um especialista na Suíça."

O livro é todo com humor irônico, deu para entender o porque da referência, pois não conhecia o poema "Esperança"

Quanto à esperança, ela é um passarinho que se faz de frágil e quando o perdemos, segundo Dante, atravessamos o portal do inferno...

Boa semana! Beijus,

Pedro Lobato disse...

Belo! Primeiro comentário de um recém leitor do blog.

Sou um fã da Emily. Tentei uma tradução dela também, no meu blog

http://quilombo.blogsome.com/2009/04/02/adentrismo-amarelo/

Esta tradutora é de purtugal, né? Existe pouco dela publicado no Brasil, parece. Traduzí-la (traduzir poesia aliás) não é tarefa fácil, mesmo os poemas dela sendo tão despretensiosos.

Tava tentando:

LOST.

I lost a world the other day.
Has anybody found?
You'll know it by the row of stars
Around its forehead bound.

A rich man might not notice it;
Yet to my frugal eye
Of more esteem than ducats.
Oh, find it, sir, for me!

PERDIDO.

Outro dia perdi um mundo.
Alguém achou?
É um que traz na testa
uma fileira de estrelas.

Um homem rico pode não notá-lo,
mas, para meus olhos frugais,
vale mais que mil ducados.
Oh, encontre-o, senhor, para mim!

WITH FLOWERS.

South winds jostle them,
Bumblebees come,
Hover, hesitate,
Drink, and are gone.

Butterflies pause
On their passage Cashmere;
I, softly plucking,
Present them here!

COM FLORES.

Ventos do sul as atropelam,
Abelhas vêm,
Flutuam, hesitam,
Bebem, e se vão.

Borboletas pousam,
De passagem para o Oriente; (descançando da viagem?)
Eu, arrancando de leve,
Trago-as para a gente! (e o que vai rimar com viagem e dar a ideia?)

(Não deu certo)

-----

Tô gostando muito do blog. O tarô tá show demais! Parabéns

Ana Tapadas disse...

A gravura é linda e o texto magnífico! Adorei.
Aqui chegou um frio outonal. Ontem era verão...
beijos

Sílvia Câmara disse...

E o meu querido Poeta-menino Mário Quintana dizia assim: "A esperança é um urubu pintado de verde."
Será????!!!!! rsrsrs
Acho uma sacada e tanto a dele.
bjo.