sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Diálogos (im)possíveis 12


— Aquele ali é teu pai?
— Não, é o segundo marido da minha mãe.
— Sei. E a que está com a mão no queixo, é tua mãe?
— Aquela? Não, não — aquela é a filha mais velha do meu antigo padrasto.
— Tua mãe, cadê?
— É aquela lá atrás, a que está carregando o neném.
— Estou vendo! Bonita, a tua mãe. O neném que ela carrega é teu irmão?
— É, sim, mas não do jeito que você pensa. O neném é filho do meu pai com a terceira mulher dele, aquela que está do outro lado da sala, brincando com minha única irmã por parte de mãe. As outras crianças, em volta dela, são primos dos meus primos, que também considero meus primos.
— !
— Ué, de repente você ficou mudo!
— É que estou achando a minha família tão sem graça...
[Pequenina explicação, só porque o assunto deu o que falar aqui: o parênteses do título indica que esses diálogos (im)possíveis podem ou não existir ou ter existido, dependendo do diálogo - isto é, de quem falou -, e dos leitores - isto é de quem ouviu, rs. Tudo, assim, é possível, como tudo é impossível: depende. Sempre acreditando no truque, he he ... ]
* Imagem daqui

12 comentários:

Chorik disse...

Ah! Mas esse é impossível! Ou não? rs

Edu O. disse...

conheço algumas pessoas que podem dialogar assim.

maria guimarães sampaio disse...

Possível ou impossível é muito bom.

Lord Broken Pottery disse...

Jana,
Sei que é possível.
Beijo

adelaide amorim disse...

Possível, sim, e como! ;)
Beijo!

Bernardo Guimarães disse...

bérbaro!
bárbaro!
pussívil ou impussívil, bárbaro!

Aninha Pontes disse...

Possível e real.
Podemos ver isso a qualquer hora e qualquer lugar.
Fico imaginando, o Érick, numa festa de aniversário, ou coisa que o valha.
O pai, ainda solteiro.
A mãe casada com alguém que não é o pai. Terá irmãos dos dois lados, e vai por aí afora.
Fácil, fácil de acontecer.
Beijos querida.

meus instantes e momentos disse...

ótimo post, muito bom.
Maurizio

Ana Tapadas disse...

Sinais dos tempos, linda...parece-me possível esse diálogo.
Beijinho

Flor ♥ disse...

Minha querida, hoje em dia isso super comum, afinal, família perdeu o seu sentido tradicional, infelizmente!

Beijos!

Maria Muadiê disse...

eu acredito no truque.

Anônimo disse...

Janaína,

mais que possível e mais que bem escrito. Parabéns!

Beijo

Vivina.