terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Máscaras


Máscaras

Carnaval acabou.
Tiro as minhas máscaras
uma a uma, lentamente.
Dói.

Resta a derradeira, justo
a máscara mais antiga.
Ganhei-a quando nasci:
a única em que
eu não me reconheço.
(Máscaras, de Janaína Amado - Creative Commons)

18 comentários:

Cosmunicando disse...

lindo poema e lindas as máscaras que você faz artesanalmente =)
beijos

maria guimarães sampaio disse...

Pô Jana! beleza, beleza pura o seu poema.

Chorik disse...

Eu poderia ter escrito isso, cabe tão bem em mim. Poderia, se tivesse o teu talento. Beijo

ADRIANO NUNES disse...

Janaína,

Belo!


Adriano Nunes.

Ana Tapadas disse...

Concordo em pleno! Estive tentada a colocar exactamente uma foto minha ...se me reconhecesse nela ...no dia de Carnaval.
Beijinho

Nilson disse...

É verdade: a máscara das máscaras! Legal o teu poema!

KimdaMagna disse...

acto de coragem não se reconhecer na "sua própria"...


xaxuaxo

Juan Trasmonte disse...

Lindo, Jana!
Pois é, parece que estamos condenados a levar essa outra todos os dias.
bjs!

Bernardo Guimarães disse...

belíssimo, jana!
falou por todos nós.

M. disse...

Nossa, que bonito!!!

Márcia(clarinha) disse...

Esse não reconhecimento, dói e nos impulsiona.

lindo dia flor
beijos

aeronauta disse...

Grudo na minha cara, tento tirá-la, ela não sai. Gostei demais do poema. Um abraço pós-carnaval.

Lord Broken Pottery disse...

Jana, querida,
Prefiro responder aqui, no seu blog. O poema ficou muito bom. Você precisa fazer mais visitas ao gênero.
Beijo

Bipede Implume disse...

Fiquei com seu coração nas minhas mãos.
Que poema bonito, Janaína.
Olha, nós, por enquanto, dizemos begónia. Também ainda não estou muito familiarizada com o novo acordo ortográfico. Mas com tempo tudo se compõe.
Beijinhos e bom fim de semana.
Isabel

Grace Olsson disse...

JANAINA, FACO ANIVERSÁRIO HOJE, MESMO.
A LUCI DO HIPPOS É QUE SE CONFUNDIU...KKK

'OBRIGADDA, VIU?
OLHA, EU POSTEI UMA FOTO DE MÁSCAR QUE FIZ EM VENEZA. E SEU POEMA É DIGNO DE QUEM ANALISA AS REACOES HUMANAS EM SUA PLENITUDE E DE FORMA SINGELA..BEIJOS E DIAS FELIZES

Janaina Amado disse...

Amigos, vocês não imaginam a alegria que me deram ao comentar, de forma positiva, este poema, o primeiro para adultos que escrevo. Nunca antes ousei escrever poesia, espécie de território sagrado. Me senti estimulada. Afinal, se eu prosseguir, o pior que poderá acontecer é mais um mau poeta no mundo, né não? Rs e beijos.

Edu O. disse...

lindo!!!!!

Casulo Temporário disse...

Lindo poema, Jana!
fiquei muito tocada.
Dizia (parece) um outro Eugenio, o Montale, que poesia é aquilo que nasce de um coração e atinge a um outro coração.
Não é isso mesmo?
um abraço grande,
Ana